Comunicação: a chave da boa anamnese

Comunicação: a chave da boa anamnese

Que vários diagnósticos são feitos com a anamnese, qualquer aluno de medicina sabe. Mas você sabia que a comunicação é essencial pra uma anamnese bem feita? Exatamente por isso, hoje falarei um pouco sobre o que é a comunicação e qual sua importância.

Mas antes de começar, preciso fazer uma observação. A boa anamnese depende tanto do conhecimento teórico quanto das soft skills, como a comunicação. Por isso, desde já é interessante você ser um aluno diferenciado!

Vamos lá, então?

O que é essa tal de comunicação?

Se você buscar uma definição de dicionário no Google, vai achar isso aqui: ação de transmitir uma mensagem e, eventualmente, receber outra mensagem como resposta.” Beleza, mas vamos tentar dar uma esmiuçada nisso.

A boa comunicação depende, essencialmente, de 6 pilares. Talvez vocês lembrem da época de ENEM. No entanto vou focar em 4 deles aqui:

1 – Emissor 

2 – Mensagem

3 – Código

4 – Receptor

O emissor e o receptor

Já deu pra sacar que você seria o emissor e o paciente o receptor, né? Por isso, não tem muito o que falar aqui. Afinal, pra consulta médica existir, vai depender tanto do médico quanto do paciente.

A mensagem

Basicamente, a mensagem é o assunto da comunicação. No caso da anamnese, a mensagem será a história do paciente e as suas considerações sobre ela. 

Então, é importante você manter isso em mente. Claro que o paciente pode acabar divagando e dando volta até concluir. Isso é normal. No entanto, você precisa, sempre com respeito e empatia, manter o foco na mensagem.

O código

O código na grande maioria das vezes é a língua portuguesa. Tá, isso é óbvio, por que eu falei então?

Se você já visitou um estado diferente do seu, já deu pra perceber que o português muda muito, né? Até mesmo em regiões menores já temos variações linguísticas, que vão depender de vários fatores.

Por isso, você precisa adaptar o seu código pro perfil de paciente. Ou seja, fale de um jeito que o seu paciente te entenda. Não adianta falar super rebuscado se o receptor não entende a mensagem, não é mesmo?

Como a comunicação influencia na anamnese?

Eu já dei uma pincelada aí em cima, mas vamos dar uma reforçada pra ficar bem claro na sua cabeça.

Com uma anamnese bem feita, você consegue fechar diagnósticos. Mas aí mora um problema. Você é quem sabe das teorias e o paciente é quem sabe da história. E aí?

Bom, o paciente nem sempre vai falar aquele detalhe que mata a charada ou aquela informação crucial. Isso, porque ele não sabe que aquilo pode vir a ser importante pro raciocínio clínico.

Então, a sua função como médico vai ser pescar essas informações em meio a fala do paciente. E é aí que entra a comunicação. Não adianta você ficar cortando o paciente ou ser grosseiro, é preciso uma comunicação clara, educada e empática.

Por isso, uma boa comunicação consegue conduzir bem uma anamnese. E a boa anamnese, como já disse, é essencial para o diagnóstico. Então saiba como estudar teoria e também essas outras necessidades médicas.

A importância de ter uma boa comunicação

Você já foi ao médico e sentiu que ele parecia não se importar muito com você? É muito chato, né? Imagina que ruim seria se você deixasse seus pacientes com essa sensação depois das suas consultas.

Os cuidados com a comunicação podem ser responsáveis por essa sensação. Então você precisa treinar desde já e se atentar aos detalhes da sua comunicação, tanto verbal quanto não verbal.

O que você pode fazer desde já é treinar anamnese com os pacientes na emergência ou nos ambulatórios. Converse com eles, tente entender o problema, faça uma escuta ativa. Depois, se quiser colocar a cereja no bolo, tenta descobrir o diagnóstico e confirma com algum professor ou médico que esteja próximo.

Já deu pra perceber que a comunicação é de fato importante. Então vou te dar 5 dicas pra você melhorar isso.

Dicas pra você melhorar a sua comunicação

1 – Assista o curso de Anamneses Inesquecíveis

Esse curso tá disponível lá no Medskill. O Victor te ensina passo a passo do que fazer pra impactar positivamente os seus pacientes enquanto faz uma consulta de primeira. Não deixa de checar, conteúdo de altíssima qualidade.

2 – Olhe para o paciente

Parece simples, mas o simples ato de olhar para a pessoa durante a comunicação é bastante efetivo. Mostre ao paciente que você está interessado no que ele tem a te contar. 

Claro, em alguns momentos você vai precisar olhar pra suas anotações ou escrever algo. Mas quanto mais você treinar e praticar, mais vai conseguir sintetizar a história na sua cabeça pra redigir tudo ao final.

3 – Preste atenção na comunicação não verbal

Ações como balançar a cabeça mostram que você está prestando atenção e ligado na conversa. Por outro lado, existem gestos que mostram desinteresse. Por isso, se policie pra não acabar demonstrando desinteresse na comunicação no meio da anamnese.

4 – Leve a anamnese como uma conversa

No final das contas, a anamnese é uma conversa entre uma pessoa procurando por ajuda e uma pessoa apta a ajudar. Mantenha o clima leve, mas sempre prezando pelo profissionalismo e pelo respeito.

5 – Treine, treine, treine e treine

Aproveita que você ainda é aluno de medicina e treina. Essa é a hora que você tem pra errar e aprender em cima desses erros. Quando menos esperar, você mesmo vai precisar fechar os diagnósticos, então não tem melhor hora que agora pra treinar até cansar.

Bom pessoal, o que eu tinha pra falar por hoje era isso. Espero que vocês consigam aprimorar as suas anamneses a partir do que falei aqui. Se precisarem de ajuda, só dar um alô lá no nosso Insta.

Grande abraço,

Eric Slawka

 

Isso fez sentido pra você? Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Digite o email em que você quer receber o Checklist: