Me formei, e agora: trabalhar ou entrar na residência?

Me formei, e agora: trabalhar ou entrar na residência?

Você acabou de se formar na faculdade de medicina e está perdido com qual caminho seguir agora: trabalhar ou entrar na residência?

Primeiro de tudo, saiba que não existe uma resposta correta para essa pergunta. Isso porque, esta decisão irá depender de muitos pontos a serem levantados.

Mas calma, a gente vai te ajudar com isso.

Então, hoje vamos falar sobre o que você deve levar em consideração antes de trabalhar ou entrar direto na residência. E claro, quais pontos você deve tomar cuidado em cada decisão.

Bora lá?

1) Trabalhando depois de formado

1. Você tem algum financiamento estudantil para pagar depois de formado?
2. Você precisará se manter durante a residência médica e não tem nenhuma reserva?
3. Você precisa ajudar sua família?

Se você se encaixa em um destes itens ou tem alguma outra questão financeira envolvida, então talvez essa seja uma boa opção para você. Assim, você pode fazer uma reserva durante este período para chegar mais tranquilo na residência médica.

No entanto, não tem nada de errado em começar a trabalhar logo depois de formado. Pelo contrário, seu aprendizado e sua experiência serão enormes.

No entanto, lembre-se de tomar alguns cuidados:

1. Não desista de fazer residência médica

Se este sempre foi seu objetivo inicial, não desista. É muito comum que os médicos quando começam a trabalhar e a ganhar dinheiro entram na ilusão de que não vale a pena fazer residência médica. Isso porque, já estão ganhando um bom salário e entrar na residência demanda bastante tempo e dedicação.

Porém, a gente sabe que com o aumento do número de médicos cada vez mais será essencial se especializar e aprender habilidades que a faculdade não te ensinou para ter uma qualidade de vida melhor na medicina. E claro, não depender pro resto da vida dos plantões.

Medicina saturada: mito ou verdade?

2. Não aumente demais seu padrão de vida

O segundo maior erro dos recém-formados que começam trabalhando é aumentar muito o padrão de vida. Com isso, criam dívidas ao invés de guardar o dinheiro necessário para se manter na residência médica depois. 

Se você cair nessa de se afundar em dívidas logo no início da carreira, fica muito mais difícil de você dar a volta e sair dessa rotina de plantões para seguir o caminho na residência. Isso porque, obviamente, você terá que trabalhar muito mais para pagar as suas contas.

5 erros que os médicos recém-formados cometem

2) Entrando direto na residência médica

Se você não tem nenhuma questão financeira envolvida ao se formar, nenhuma dívida ou financiamento: bora pra residência!

A gente sabe que muitas vezes a faculdade não nos prepara como gostaríamos para os plantões. Na residência, esse jogo muda. A residência irá te preparar para a prática da vida médica na área que você deseja seguir. Além disso, a residência médica irá te abrir muitas portas no mercado de trabalho como especialista.

Mas lembre-se: independente do caminho que você escolher, você não será um melhor ou um pior médico por isso. Seja por trabalhar antes ou por entrar direto na residência. A melhor opção é aquela que melhor se encaixa na sua realidade e como você irá lidar com isso.

E aí, curtiram nosso post? Quer saber mais sobre isso?

Então não deixe de acompanhar o nosso vídeo abaixo:


Bolsa de residência médica: é o suficiente para se manter?

Aumento das bolsas de residência médica: qual será o novo valor?

Até a próxima

Marília Damo

Isso fez sentido pra você? Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Digite o email em que você quer receber o Checklist: