Saúde Física: o Guia Além da Medicina

Saúde Física: o Guia Além da Medicina

Fala galera, beleza? Como já perceberam, o foco do Além da Medicina por aqui e lá no nosso Instagram durante essa semana foi saúde física. Surgiram várias dúvidas e questionamentos, e o foco de hoje e tentar dar uma luz pra esse pessoal.

E pra quem é aluno Medskill, você pode encontrar aulas e muito material sobre esse assunto na plataforma!

Mas antes de começar a falar sobre saúde física na faculdade de medicina, precisamos relembrar um ponto importante. Cada um é cada um, beleza? Não esquece disso! Você não precisa se comparar com os outros.

Seu amigo completou uma meia maratona? Fica feliz por ele, mas não fica triste que você não aguenta correr 21 km. Afinal, você sabe quanto ele treinou? O esforço que ele teve? Como foi a alimentação dele? O internato tá comendo o couro dele?

Enfim, foca em você mesmo e na sua saúde. O resultado que mais importa é o seu. E não to falando aqui do abdômen trincado ou do bíceps enorme, isso fica a critério do cliente. Isso, porque o mais importante é a sua saúde física na faculdade, que jamais deve ser negligenciada!

Saúde física é essencial!

Outra coisa importante pra ser lembrada antes de começarmos a nossa conversa é: saúde física não é só exercício. Dito isso, muitas questões entram aqui, como alimentação, orientação de profissionais especializados, descanso, e por aí vai.

Ah, mas antes de começar a ler, vai lá no último e penúltimo posts e dá uma lida. Tem várias informações legais sobre saúde física na faculdade, pra você começar a entender mais sobre o assunto!

Então presta atenção no que vamos falar aqui. Com certeza alguma das dicas e orientações aqui vão ajudar com a sua saúde física na faculdade. Seja no ciclo básico, no clínico ou no internato da sua faculdade de medicina ou até na residência, fica esperto!

Aí vai, os 4 temas que mais foram perguntados por vocês essa semana!

Uso de suplementos na saúde física

Antes de falar um pouquinho desse tópico, é preciso entender o que de fato é a suplementação. No nossa alimentação temos os micro e os macronutrientes. A suplementação é a reposição deles, além da alimentação regular.

Vamos pegar um exemplo pra ficar mais fácil de entender. A proteína é um macronutriente, certo? Então, sabe aquele whey que muitos tomam antes de malhar? Ele é uma suplementação proteica.

Como o próprio nome já indica, o suplemento é algo adicional. Ou seja, ele complementa a alimentação, então não é indicado para todos! Mas como saber se você precisa suplementar?

A suplementação não se resume às necessidades de quem faz exercícios. Ou seja, muitas pessoas podem ter outras questões que peçam suplementação, como é o caso da vitamina D, tão presente na pandemia (e nem sempre corretamente utilizada). 

Além disso, existem fases distintas da vida que irão pedir nutrientes diferentes. Por exemplo, quem você acha que precisa mais de cálcio, um adulto saudável e com boa alimentação ou um idoso com fragilidade óssea?

Afinal, vale ou não vale a pena?

Beleza, mas eu ainda não respondi a pergunta lá de cima. Afinal, como saber se eu preciso suplementar? Bom, o ideal é consultar profissionais nutricionistas, nutrólogos ou de medicina do esporte. Eles saberão indicar suplementações necessárias, além de orientar a sua dieta para seu estilo de vida.

Por isso, sugiro você fazer isso. Vários alunos gastam muito dinheiro com suplementos sem evidências científicas. Eles estão literalmente jogando dinheiro fora.

Mas agora, é importante lembrar de novo. A suplementação não é responsável por substituir a alimentação. Por isso, não adianta você não ter proteínas na sua dieta e tomar 5 doses de whey todo dia.

Então toma cuidado! Não acredite em tudo que ler por aí e tenha senso crítico na hora de tomar algo. Até mesmo nutrientes necessários pro organismo podem fazer mal quando excessivos. Mais uma vez ressalto a importância de orientação profissional.

Mas e pra quem faz exercícios com foco na saúde física na faculdade?

O grande foco aqui é a saúde física na faculdade. Como já falei, isso não inclui apenas exercícios, mas eles são grandes aliados dos estudantes diferenciados. Pra auxiliar no desempenho e na performance, surgem os suplementos.

Existem vários tipos de suplementação. Duas bastante comuns nesse meio são aqueles com foco no ganho de massa muscular e aqueles com foco no emagrecimento.

No caso da massa muscular, eles tipicamente são à base de proteínas ou aminoácidos. Temos, então, o whey, a creatina e o BCAA, por exemplo. Os que focam no emagrecimento geralmente aceleram o metabolismo, como a cafeína.

Mas na realidade, tudo vai depender da sua alimentação e da quantidade e da qualidade dos seus exercícios. Como disse antes, se mal utilizados, eles podem ter o efeito oposto e acabam te fazendo mal!

Resumindo a suplementação

Vamos fazer um apanhado geral em tópicos, pra fixar bem? Lá vai:

1- Suplementos não substituem a alimentação

2- A suplementação pode causar mal

3- Exercícios físicos são essenciais

4- A suplementação depende da sua rotina e da sua alimentação, não adianta copiar o amiguinho

5- Busque ajuda de nutricionistas ou de nutrólogos e médicos do esporte. 

Capa para o guia além da medicina de saúde física

Uso de medicações e saúde física

O que são e como funcionam?

Quem nunca ouviu falar na Ritalina e no Venvanse? Esses dois remédios são estimulantes do sistema nervoso. São indicados para transtornos de déficit de atenção e hiperatividade, o famoso TDAH.

Pra quem possui essa clínica, eles podem ajudar muito. No entanto, tomar esses remédios sem indicação médica pode ser um grande perigo.

Mas eles funcionam em qualquer um?

Como são indicados para pacientes com TDAH, têm efeito importante na memória e na concentração. Então, mesmo pessoas sem transtorno, ao tomarem esses medicamentos, sentirão esse efeito, segundo vários profissionais.

Inclusive, foi assim que eles acabaram ficando populares e conhecidos por todos. Várias estudantes, inclusive de medicina, e profissionais, como residentes, optaram por esse caminho. Os relatos indicam que eles tiveram sim o efeito desejado. Até surgiu o apelido de pílula da inteligência.

Mas como qualquer “solução mágica”, nem tudo são flores. Junto com a parte boa, veio a parte ruim, os riscos e efeitos colaterais. Insônia, falta de apetite e irritabilidade são alguns deles!

Não acredita? Dá uma olhada na bula da Ritalina e do Venvanse pra conferir com os seus próprios olhos.

Claro, todo remédio pode ter efeitos colaterais. A questão aqui, é o uso sem indicação médica. Será que realmente vale a pena correr esse risco? Eu diria que é muito arriscado…

Mas eu tenho prova, vou tomar só unzinho essa semana

É aí que mora o perigo. Além dos riscos associados que eu já falei ali em cima, há o risco de dependência. O aluno de medicina toma uma vez e sente que ajudou. Aí ele toma de novo em outra oportunidade. E de novo. E quando vê, ele tá tomando sempre que for estudar.

É preciso muito cuidado. Os psicoestimulantes são medicações sérias, que não devem ser utilizadas sem controle médico. É importante que você possua diagnóstico e receita para fazer uso dessas medicações.

Jejum intermitente e saúde física

Mas afinal, o que é esse tal de jejum intermitente?

Basicamente, é uma dieta que consiste em períodos longos sem ingerir alimentos ou calorias. Os períodos sem alimentação podem variar de algumas horas a um dia inteiro. Assim como os outros tópicos daqui, vai variar de pessoa pra pessoa.

Existem pessoas que fazem jejum intermitente de maneira mais regular. Por outro lado, há aqueles que escolhem alguns dias da semana pra ficar sem comer.

Então, você que está na faculdade de medicina ou na residência precisa considerar se é uma dieta válida pra você. E mais, caso comece, precisa ver se consegue aguentar as horas sem comer. Muitas pessoas não toleram!

Pra te ajudar, busque a ajuda de profissionais especializados. Eles saberão indicar a melhor dieta pra você. A dieta intermitente tem sim seus benefícios. Não é a toa que existem relatos e mais relatos de emagrecimento com essa técnica.

Esse método emagrece sem prejudicar saúde física? 

O jejum intermitente possui várias aplicações. A mais clássica, de fato, é o emagrecimento, mas não é a única. Além dela, podemos citar o combate à diabetes tipo 2. Não acredita? Fala com o Victão, ele é especialista nesse tema!

Como vocês estão mais que familiarizados com a medicina, entendem bem de fisiologia, né? Mas vamos dar uma mini relembrada de maneira beeeem simplificada aqui pra entendermos melhor sobre o assunto!

Logo após a alimentação, temos hormônios que promovem estoques, como a insulina. Com isso, formamos glicogênio e tecido adiposo.

Já nos períodos de jejum, esses estoques são quebrados, pra conseguirmos gerar energia. Assim, o glucagon e outros hormônios ajudam, por exemplo, a quebrar o tecido adiposo. Ou seja, o jejum pode estar associado ao emagrecimento.

Vou queimar meus músculos? 

No jejum intermitente, o que acontece é que esses hormônios do jejum ficam potencializados. Eles atuam por mais tempo, de maneira a promover emagrecimento. Além disso, os picos de insulina são menores, daí a ajuda pros diabéticos.

Mas você deve estar pensando aí se esses hormônios não vão quebrar músculo também, né?

Ao que tudo indica, o jejum intermitente não gera perda muscular. Não só isso, mas também o melhor aproveitamento da insulina somado ao estímulo à produção de GH (hormônio do crescimento) podem ajudar a ficar musculoso.

Será que sua rotina permite?

A faculdade de medicina e a residência são momentos muito atarefados. Plantões noturnos, estágios em emergência, provas e mais provas. Então, no fundo, você precisa analisar se a prática do jejum não afeta sua rotina.

Há quem se adapte bem, mas também há quem se sinta mal após muito tempo sem comer. Então, se quiser começar, vá progredindo aos poucos no período de jejum. Não comece direto com longos intervalos sem comer!

E se sentir que o jejum intermitente não tá legal pra você, busque outro método. Se alimentando bem, mesmo que com outra dieta, e se exercitando, existem várias opções boas pra emagrecer ou pra ganhar massa muscular!

Um bom lugar para você tirar dúvidas sobre essa dieta é lá no Fasting Method. Pesquise bem e marque sua consulta com um profissional antes de começar, caso tenha interesse!

Tempo de treino necessário para se manter a saúde física na faculdade de medicina

Mais uma vez, não existe resposta exata aqui. Cada pessoa é diferente e vai precisar se exercitar de maneira diferente. O importante é se manter ativo sempre!

Começa a se exercitar e vai percebendo os sinais do seu próprio corpo. O desgaste tá atrapalhando na faculdade de medicina? Então pega um pouco mais leve. Você sente que aguenta ir um pouco além nos exercícios? Então aumenta um pouco a duração dos treinos. E por aí vai.

O ideal é você começar devagar. A saúde física é um processo. Uma comparação clássica, imagine que você está correndo uma maratona, não um tiro livre de 100 metros rasos.

Apesar disso, os resultados nem sempre serão visíveis de imediato. Aliás, na maioria das vezes eles vão demorar a aparecer. Ainda assim, é importante manter o objetivo em mente, a saúde, e continuar se esforçando!

Ah, mas a faculdade de medicina e a residência ocupam meu tempo inteiro

A rotina é puxada, isso é um fato. Por isso, você tem duas opções:

1- Aceitar isso e buscar soluções pra manter a saúde física

2- Usar a rotina pesada como desculpa pra não cuidar de si

E aí, qual você vai escolher?

Por isso, gente precisa contornar a nossa rotina e achar tempinhos pra estudar. Às vezes vai sobrar pro final de semana, às vezes vai acordar um pouquinho mais cedo ou dormir um pouquinho mais tarde, enfim, existem várias soluções. Você precisa achar aquela que se adequa melhor pra você.

Como se manter motivado pra focar na saúde física constantemente?

Existem pessoas que o próprio exercício já é a motivação. Um pace mais rápido, ganhar na pelada dos amigos ou aguentar nadar cada vez mais pode estimular quem gosta das práticas.

Mas também há aqueles que não curtem muito se exercitar. A dica principal é manter um objetivo final em mente. E que objetivo melhor que a sua própria saúde? Tenta se imaginar lá na frente, já médico, e pensa que a sua saúde vai ser ótima! Quer chegar lá? Então começa desde já!

Além disso, vá crescendo aos poucos, cada dia tente ser melhor que no dia anterior. É normal começar por baixo, acontece com todos, o importante é se dedicar e crescer sempre!

Sobre saúde física na faculdade, era isso!

Como falei tantas vezes por aqui, o intuito desse texto é orientar e tirar dúvidas que vocês tiveram. Mas em hipótese alguma vocês devem começar a tomar algo sem a orientação profissional adequada!

Além disso, cada um vai entender melhor sobre seu próprio corpo. Ou seja, o que funciona muito bem pros seus amigos, não necessariamente vai valer pra você também. Teste, veja os resultados e adapte se necessário.

A ideia é que vocês consigam manter a saúde física na faculdade. E mais, que essa saúde física na faculdade consiga melhorar seus estudos e te tornar um aluno ainda melhor. Não basta manter a matéria sempre em dia e abdicar do seu corpo!

Se precisarem, estaremos sempre aqui pra ajudar, só dar um alô!

Grande abraço,

Eric Slawka

 

Isso fez sentido pra você? Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Digite o email em que você quer receber o Checklist: